Vestido Robert Wun preto cravejado de cristais
Desfiles,  Moda,  Tendências

Robert Wun e o vazio de Time em Paris

Robert Wun surpreende na Semana de Alta Costura Parisiense de Outono/Inverno 2024-25 com sua mais nova coleção intitulada Time

Robert Wun com sua coleção Time, em Paris, nos leva em uma jornada para descobrir a beleza no abstracionismo do efêmero, seja na vida humana, seja no natural. O estilista questiona em como podemos buscar o belo em um falso eterno e mostra a verdadeira beleza encontrada naquilo que tem um fim.

Venha ver e entender mais sobre sua coleção e refletir sobre. Respire e mergulhe!

Quando o abstracionismo do tempo efêmero ganha forma

Viajar com a coleção Time de Robert Wun é se perguntar: qual é o nosso tempo e quanto ele dura? Existiram e existem diversos tipos de calendários no mundo marcando noções de tempo e, acima de tudo, como podemos marcar algo como correto, quando a nossa própria existência e todas as coisas do mundo são impermanentes?

Robert Wun, em princípio, também parece desejar brincar nesses questionamentos ao nos pegar pela mão e guiar por sua coleção. Em outras palavras, o estilista exibe, no desfile, possibilidades da passagem de tempo. Além disso, a própria celebração dos 10 anos de existência de sua marca já serve como convite a esse espetáculo ocorrido na Semana de Alta Costura parisiense, no dia 27 de junho.

“Nada dura para sempre e essa é a beleza disso” — Robert Wun

Se o estilista abre sua coleção couture com um vestido representando a primeira neve, momento que, segundo ele, é de grandes reflexões; eu, por outro lado, abro nossa viagem à Time com essa fala dele citada no título. Sua proposta, que, aliás, não é nada fácil, marca a passagem do tempo. Podemos ver o início e o fim de cada estação, da vida humana e da natureza. Concordo com ele.

Então, como poderíamos apreciar uma estação do ano querida por nós, se ela nunca tivesse um fim? Se nós não precisássemos ansiar pelo seu retorno no ano seguinte? O próprio Robert Wun, por exemplo, nos traz na passarela uma filosofia chinesa, na qual diz que não seria possível encontrar a beleza em uma flor se ela vivesse para sempre. Dessa forma, enxergamos até mesmo a morte como parte da beleza do tempo.

Casaco longo azul Robert Wun com chapéu e muitas aplicações de borboletas falsas simbolizando o verão.
Vestido bicolor com aplicações de flores falsas de sakura na parte superior rosa e em veludo na parte inferior preta. Acompanha guarda-chuva rosa também com aplicações de flores sakura falsas.
Vestido multi cor em tons de vermelho, amarelo, laranja e off-white, acompanhado de chapéu com muitas aplicações de folhas falsas no conjunto.

Composição de looks representando, respectivamente, verão, primavera e outono. (Fotos: Reprodução/Instagram @pauseonline)

Os detalhes de Time, de Robert Wun

Para dar vida à sua coleção, Robert brincou com técnicas e materiais. Usou e abusou de cristais, fez apliques em forma de borboletas, queimou tecidos, fez impressões têxteis e por aí vai. No entanto, o mais impressionante não é o fato de ter usado X ou Y, pois isso qualquer estilista faz. O que torna Wun único e gera o interesse de acompanhar o seu trabalho é o que ele cria a partir de suas técnicas.

Vimos a neve e o fogo, a pele, os músculos e o esqueleto. Sentimos a vida e a morte, ou seja, a passagem do tempo como ele quis nos mostrar. Além disso, entramos no universo bem colorido de Time, onde nosso próprio olhar é o que faz o tempo, de fato, acontecer em sua obra. Robert Wun precisou ter espectadores para poder marcar o tempo. 

Vestido Robert Wun amarelo-alaranjado plissado com chapéu em forma de rosto humano simulando a pele.
Vestido vermelho simulando os músculos e nervos do corpo humano.
Vestido Robert Wun, coleção Time, em estampa cósmica com aplicações de cristais.

Analogia à pele, nervos/músculos e a alma. (Fotos: Reprodução/Instagram @pauseonline)

Onde a coleção Time vive

Time transformou Paris. A iluminação fraca, combinada com o telão digital mostrando a vida da coleção e a música em um tom sóbrio, deixou o público em transe com os festivais de cores e texturas apresentados. É como se nós nos tornássemos parte do ecossistema da coleção e apenas a meditação pode trazer esperança em meio ao efêmero. Faz com que nos questionemos a respeito de nosso próprio tempo.

O que estamos fazendo? Estamos vivendo? Pode ser tarde demais e o tempo pode acabar. 

Por fim, parabenizo Robert Wun que, em seu 10º ano de marca, trouxe reflexões importantes em meio ao atual caos global. Esperamos que os seus futuros questionamentos nos provoquem, que venham mais aniversários, e que o tempo demore a passar e a acabar.

Veja o desfile abaixo e apenas sinta. Libere a mente e absorva o tempo.

Desfile Time, de Robert Wun, em Paris (Vídeo: Reprodução/YouTube)

Para saber tudo o que acontece no universo da moda e nos desfiles, confira os conteúdos aqui no Fashionlismo!

Escrito por: Felipe Pereira / Revisado por: Clara Molter Bertolot

Um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *