Alexander McQueen backstage 2024
Tendências

Alexander McQueen perdeu seu brilho?

No sexto dia de Paris fashion week aconteceu o desfile mais aguardado entre os amantes de moda: Alexander Mcqueen. Mas, o que não se esperava foi as controvérsias que a estreia do novo diretor criativo da marca trouxe, sendo grande parte negativa.

Um novo capítulo se abre na grife e é escrito de forma um tanto quanto diferente. Quando saiu a notícia que Sarah Burton havia deixado a direção criativa de Alexander Mcqueen, foi um completo escândalo. O seu último desfile foi tão emocionante, que caiu até lágrimas da modelo Naomi Campbell.

Depois da morte de Lee McQueen, em 2010, Sarah tomou a frente e honrou um patrimônio de mais de dez anos. Nesse tempo, criou um legado marcado por respeito aos códigos impecáveis de seu mentor. Em outubro do ano passado, o novo rosto a frente do carga foi nomeado: o irlandês, Seàn Mcguirr.

História do novo diretor criativo

Sean Girr é irlandês, nasceu em Dublin. Aos 17 anos foi para Londres, onde se formou na Central Saint Martins e obteve um Mestrado em Moda em 2014.

Sua carreira começou com sua ajuda na Burberry e na Vogue Hommes Japan. De 2014 a 2018, ele fez parte da Uniglo em Tóquio e Paris. Em resumo, onde trabalhava nas coleções masculinas guiadas por Christophe Lemaire.

Em seguida, se juntou à JW Anderson em 2020, para liderar as coleções masculinas, eventualmente adicionando roupas femininas. Antes disso, ele foi designer feminino da Dries Van Noten em Antuérpia.

O currículo do designer é significativo, passou por várias Casa nomeadas, antes de chegar aonde está. Contudo, mesmo sendo excepcional, não conteve as críticas na sua estreia em Alexander Mcqueen – Maison aclamada e muito conhecida.

Alexander McQueen Backstage 2024
Alexander McQueen backstage 2024 (Reprodução via Instagram/ Alexander McQueen)

Desfile de Alexander McQueen

A coleção foi uma grande experiência. Deu início com um vestido preto de jérsei que leva as mãos na cintura e busto, criando um aspecto de aprisionamento, passou por trench coats, alfaiataria, volumes exagerados e animal print. Por fim, finalizou seu show com vestidos em aspecto de armadura.

Um repleta imersão de textura, estampa e forma. Essa diversidade, portanto, pode ser interpretada de diversas formas. Há ousadia, juventude e, até mesmo, coragem. Em contraponto, não possui uma história solida, várias misturas que parecem não se encaixar.

Alexnder McQueen fashion week 2024
Alexander McQueen backstage 2024 (Reprodução via Instagram/ Alexander McQueen)

Essa profusão, que poderia ser rica e desejada, se confunde com ansiedade. Mas, Sean Mcgirr disse à Vogue que a coleção tem que provocar reação, afinal esse é o DNA da marca. Através do lúdico, Lee McQueen passou anos provocando reações e sentimentos diversos em seus espectadores.

Em suma, o novo diretor criativo fez com louvor. Além de provocar diversas reações, foi um choque talvez interessante. Um rebelde, ignorando as expectativas criadas, trazendo algo inesperado.

Em um momento de fadiga, pós legado Lee e Sarah Burton. Talvez seja hora de recuperar esse fôlego e dar uma novo chance ao novo diretor criativo.

Alexnder McQueen backstage 2024
Alexander McQueen backstage 2024 (Reprodução via Instagram/ Alexander McQueen)

Porque tantas críticas ao Seàn Girr na Alexander McQueen?

O começo das controvérsias a respeito de sua entrada na marca foi desde antes de sua coleção ser mostrada. Logo após sair a notícia que Seán Girr seria o novo diretor criativo, houve um desencadeamento de críticas fortes ao conglomerado Kering.

Essa estratégia, mesmo com o objetivo de trazer novas perspectivas com nomes menos conhecidos na moda, foi visto negativamente. Isso pois, no momento, todos os diretores criativos do grupo são homens brancos.

Entretanto, a decisão de substituir uma designer líder por um homem gerou atrito, especialmente em um contexto em que as mulheres ainda estão lutando por representação igualitária em papéis de liderança na indústria da moda.

Os primeiros spoilers de seu trabalho veio em uma campanha, na qual resgatou a logo original da grife, que Sarah Burton havia abandonado. “Era uma espécie de brincadeira com as tradições góticas da casa”, diz ele

Mas, a Internet pareceu não levar na brincadeira. Desde então, as críticas caíram ainda mais sobre ele, de forma equilibrada.

“Dividiu um pouco as pessoas. Acho que isso é bom, acho que é importante. Lee McQueen disse nos anos 90: ‘Prefiro que as pessoas odeiem do que não sintam nada’. Acho que McQueen é um bocadinho assim”, disse.

Enfim, provocador e ousado. Será que teremos mais desfiles impactantes por ai? Alexander McQueen irá para outro rumo? Talvez isso seja perguntas para respostas futuras. Por enquanto, haverá apenas o repouso da adrenalina pós espetáculo de Lee McQueen e Sarah Burton.

 Backstage 2024 do desfile
Alexander McQueen backstage 2024 (Reprodução via Instagram/ Alexander McQueen)

Gostou desse conteúdo? Então, fique por dentro dos outros conteúdos aqui do Fashionlismo, e não deixe de seguir a gente nas redes sociais: Instagram e TikTok.

Escrito por: Maria Eduarda Regis / Editado por: Gabriela Andrade

Um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *